Imprimir esta página
Como Funciona a Desinsetização Hospitalar

Como Funciona a Desinsetização Hospitalar

Saiba como a Desinsetização Hospitalar pode ajudar com combate à proliferação de agentes nocivos à saúde

Realizar a desinsetização hospitalar é de extrema importância, ainda mais depois de uma situação urgente e delicada pelo qual estamos enfrentando.

Os ambientes hospitalares são expostos diariamente à vulnerabilidade de contaminação microscópica diante ao grande fluxo de pacientes debilitados, profissionais e visitantes.

Por isso, é de caráter obrigatório que hospitais e clínicas sigam rigorosamente com todos os procedimentos que impeçam o acesso de moscas, formigas, roedores, baratas e outros tipos de pragas urbanas ao local.

Além dos problemas relacionados à saúde, a credibilidade de um hospital infestado por pragas urbanas torna-se péssima e podem causar o sério comprometimento de equipamentos e da rede elétrica, causando curtos-circuitos.

Vamos nos aprofundar sobre como funciona a desinsetização hospitalar e saiba como proteger a saúde das pessoas de forma segura e eficaz. Acompanhe!

O Controle de Pragas na Desinsetização Hospitalar

Os insetos e animais podem colocar em risco a saúde humana ao adentrar no ambiente através de rede de esgoto, frestas de portas e janelas. Sabe por quê?

Esses animais indesejados carregam em seus corpos, microrganismos e bactérias resistentes às drogas.

Outro fator que arrisca o bem-estar dos pacientes é o movimento do exterior do hospital para o interior, de modo que seja possível transmitir agentes bacterianos por meio das roupas, superfície corpórea e até mesmo calçados.

Consequentemente, tudo isso acaba provocando infecções hospitalares.

Condições propícias à infestação de pragas urbanas em hospitais

O perigo se instala nos detalhes e é sobre isso que iremos relatar neste tópico. A má conservação de alimentos, goteiras e o acúmulo de lixo são apenas a ponta o “iceberg”.

Existem muitos outros fatores que contribuem para a proliferação de pragas urbanas dentro dos hospitais. Aliás, muito além do que imaginamos.

  • ❌ Entrada de alimentos e de materiais diversos, geralmente embalados em caixas de papelão, onde também muitas vezes são armazenados;
  • ❌ Janelas e portas sem a devida proteção, ou permanentemente abertas;
  • ❌ Presença de goteiras, infiltrações, águas empoçadas, além de tubulação de águas pluviais e bueiros mal conservados;
  • ❌ Má conservação ou manutenção de ralos permanentemente abertos;
  • ❌ Déficit de manutenção de superfícies, com pintura danificada, frestas e rachaduras;
  • ❌ Espelhos de interruptores e tomadas ausentes ou danificados;
  • ❌ Manutenção inadequada de ambientes e compartimentos em geral;
  • ❌ Depósito de material, inservível ou não, de forma inadequada e desnecessária;
  • ❌ Acondicionamento, transporte e destinação inadequados de resíduos;
  • ❌ Limpeza ou higienização insuficientes;
  • ❌ Proximidade de áreas verdes, com vegetação atrativa a insetos e outros animais.

Certas medidas preventivas demandam conhecimento e técnica para serem aplicadas. Sendo assim, é necessário solicitar os serviços de controle de pragas de um negócio especializado.

A empresa contrata irá disponibilizar profissionais capacitados para exercer com excelência a desinsetização hospitalar, de modo a identificar ocorrências que favoreçam a infestação e reprodução desses animais.

Afinal, como é feita a Desinsetização Hospitalar?

O controle de pragas reforça ainda mais a efetividade da desinsetização hospitalar, já que este procedimento deve ser realizado por empresas terceirizadas e especializadas, seguindo as normas estabelecidas pela ANVISA.

Segundo as diretrizes, a desinsetizadora deve aplicar suas técnicas de maneira que haja o impacto ambiental mínimo possível para assegurar a saúde do consumidor e do aplicador dos produtos saneantes desinfetantes.

Compreende-se ainda que os produtos utilizados na desinsetização devem ser cadastrados tendo sua manipulação e descarte de inteira responsabilidade da controladora de pragas.

Antes de tudo é necessário realizar o agendamento da desinsetização hospitalar para garantir o isolamento do local e prevenir a contaminação dos profissionais e principalmente, dos pacientes.

Para aplicar as técnicas de extermínio de pragas urbanas no local, é feita uma inspeção geral do ambiente para detectar possíveis acessos de entrada de roedores e aranhas através da rede de esgoto, para certificar que não há mais animais no local e assim, delimitar as áreas de risco.

Com isso, devem ser tomadas medidas ativas como a aplicação de produtos específicos para cada tipo de praga urbana, como géis “baraticidas” utilizados em áreas onde há recorrência de baratas e géis de formicidas, nos casos de formigas.

É importante destacar que todos os procedimentos operacionais precisam ser efetuados por profissionais devidamente uniformizados e treinados, com o suporte dos equipamentos de segurança adequados.

Por que a Desinsetização Hospitalar é imprescindível?

Realizar a desinsetização hospitalar é um desafio para as empresas especializadas.

Especialmente por se tratar de um local que está em constante atividade com o uso de diversos recursos que não podem ser danificados ou contaminados por vetores como as pragas urbanas.

Sendo assim, o processo de desinsetização deve ser feito com cuidado e cautela devido à presença de pacientes, muitas vezes fragilizados e propensos a contrair algum tipo de infecção hospitalar que agrave seu quadro de saúde.

A manutenção do serviço deve ser feita mensalmente, principalmente em áreas críticas como redes de esgoto, cozinhas, copas, despensas e almoxarifados.

O processo consiste em uma nova inspeção para identificar a necessidade de substituir as iscas danificadas ou consumidas por iscas novas.

As áreas dedicadas aos cuidados dos pacientes como centros cirúrgicos, UTIs, CTIs, leitos, apartamentos, enfermarias, consultórios médicos e pronto-socorros exigem uma inspeção de a cada dois meses.

Com recomendação de desinsetização hospitalar de no mínimo uma vez ao ano conforme as orientações da vigilância sanitária.

Já os setores administrativos necessitam de um intervalo de três meses para a manutenção da desinsetização hospitalar.

Manter a desinsetização hospitalar regularizada é o ato de responsabilidade biológica e ambiental fundamental para assegurar a saúde humana nos hospitais.

Para garantir total segurança e qualidade no processo de desinsetização, recomenda-se contratar uma empresa terceirizada especializada no controle de pragas urbanas.

Ler 563 vezes Última modificação em Terça, 30 Junho 2020 11:12
Avalie este item
(0 votos)